Os mutantes – de acordo com o Relativismo, temos de deixá-los viver…

O livro começa com uma estória paralela, no “Refúgio”- quente como o útero materno, ou como deve ter sido a sopa atômica primordial para o surgimento das espécies animais – tudo feito de plástico (artificiais como num cenário de cinema).

Os mutantes discutem o propósito de suas vidas e a razão deles terem surgido e de estarem sendo mantidos vivos e bem cuidados – radiação,  O Refugio foi construído 25 anos atrás e os membros mais velhos do grupo de mutantes (7 criaturinhas diminutas, mulheres e homens), tinham memórias de uma vida anterior em incubadoras mecânicas.

A vontade de sair de lá é grande, mas se sairem morrerão – não aguentarão a atmosfera normal da Terra.

Eram observados o tempo todo pelos cientistas que criaram o refúgio.  4 tentam – começam a sufocar e morrer – mas são resgatados a tempo pelos cientistas, sem que os habitantes das proximidades sequer tomem conhecimento do que acontecera.

O tal Jones (Floyd Jones) tinha começado sua carreira lendo a sorte em festivais em que esses mutantes se apresentavam.

Mas logo esse Messias iria revolucionar o planeta com seu fanatismo; pois, embora pudesse, realmente, ver o futuro (ele via 1 ano no futuro – o que tornava sua vida um tormento), seu maior poder era sua habilidade de fazer com que as pessoas sonhassem novamente – num mundo onde sonhar era ilegal, mesmo se não pudesse ser distinto de um pesadelo.

Podemos acompanhar a agonia de Jones ao experimentar o primeiro ano de sua morte, no último ano de sua vida.  Ele tinha, portanto, de viver os fatos melhores e piores, duas vezes, num curto espaço de tempo.

Ele também sofria do complexo de Cassandra: ninguém acreditava em suas predições, até que o futuro chegava e se tornava passado.

A guerra tida terminado um ano antes e dominava o relativismo de Hoff, com a  supressão de sentimentos políticos e religiosos (fanatismo) e racionamento de comida.

Os mutantes tinham surgido a partir da radiação resultante da guerra e eram queimados vivos durante as batalhas – agora, se apresentavam como estrelas de espetaculos de variedades.

Nessa época (anos 50), toda a literatura de ficção científica que se prezasse tinha de apresentar mutantes, extra-terrestres e viagens espaciais.

Nesta crônica sobre a ascenção e a queda de um Messias pós-nuclear, escrita no início da carreira de Phillip Dick, os leitores irão encontrar uma trama realista e profética.  O que o livro nos oferece é nada menos que uma leitura exata de nossa fome por acreditar novamente.

Interessante a criação desse personagem no início dos tempos de ficção científica, quando os heróis geralmente gozavam de amplos poderes mentais.

Nas obras mais recentes de Phillip Dick, ele ficou mais confiante no produto de sua imaginação e abandonou esses clichês.

Ver resenha de outra obra de Phillip Dick: “O Caçador de Andróides” / “Do Androids dream of eletric sheep?” – http://www.skoob.com.br/estante/livro/2633335 e resenha no blog: https://scifinowlilimachado.wordpress.com/2012/03/31/o-cacador-de-androides-do-androids-dream-of-electric-sheep-phillip-dick/?preview=true

Documentário sobre experiências místicas acontecidas com o escritor Philip K. Dick, e ainda não explicadas, e que, possivelmente levaram aos livros de ficção científica que conhecemos:

Phillip Dick

Philip Kindred Dick, foi um escritor americano de ficção científica que apesar de ter tido pouco reconhecimento em vida, a adaptação de várias das suas novelas ao cinema acabou por tornar a sua obra conhecida de um vasto público, sendo aclamado pela crítica.  A sua primeira obra publicada foi Solar Lottery de 1955.  Inspirando-se em ideias do Budismo, Cabalismo, Gnosticismo e outras doutrinas herméticas, e combinando-as com certos aspectos das novas crenças na parapsicologia, extraterrestres e percepção extra-sensorial, o autor criou mundos alternativos nos quais acabou eventualmente por julgar viver. O autor acreditava ter sido contatado, em 1974, por uma “mente racional transcendental”, o que ele julgava ser uma teofania. Detalhes sobre este evento são detalhados no romance Valis, publicado em 1978.  PKD explorou em suas obras temas como a realidade e a humanidade, utilizando como personagens pessoas comuns e não os heróis galácticos de outras obras do género.  Os filmes Minority Report / PT: Relatório Minoritário/ BR: Minority Report: A Nova Lei (com Tom Cruise), Total Recall / O Vingador do Futuro (com Arnold Schwarzenegger), Screamers / BR: Assassinos Cibernéticos com Peter Weller, O Pagamento / Pago para Esquecer (com Ben Affleck), Impostor,Next / Next – Sem Alternativa / O Vidente (com Nicolas Cage), A Scanner Darkly, (com Keanu Reeves) The Adjustment Bureau / BR: Os Agentes do Destino (com Matt_Damon) também são baseados em novelas ou contos de Dick.

Anúncios

Sobre Lili Machado

Lilia Cristina Machado é carioca, aquariana, leitora voraz, estudante do conhecimento humano, especialmente dos ramos do imaginário, formada em Inglês por Cambridge, graduada em História, pós-graduada em Arte e Cultura, atualmente cursando Turismo.

Deixe seu comentario!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s